Olga Noronha | Joalharia de mãos dadas com a medicina

Olga Noronha já não é um nome que passa despercebido no mundo da joalharia. Esta jovem designer de joias, de 24 anos, trocou Portugal por Londres e é em terras de Sua Majestade que tem desenvolvido o seu trabalho artístico ao cruzar a joalharia com a medicina. “O meu foco tem sido a análise artística e filosófica de atos e rituais médico-cirúrgicos, como se pode perceber nos meus mais recentes trabalhos”, explica a própria à SP Mag. Esta área de atuação não é de todo inusitada para Olga Noronha, que cresceu numa família de médicos. O pai é o reputado médico-cirurgião ortopedista José Carlos Noronha, conhecido por ter operado algumas das estrelas do futebol. Na próxima edição da ModaLisboa poderemos ver a designer a apresentar pela terceira vez consecutiva a sua coleção.

SP Mag – Como surge uma coleção Olga Noronha?

Olga Noronha – Considero-me uma pessoa adaptável e que se deixa facilmente inspirar por tudo o que me rodeia. Mas há um fator que não dispenso aquando da idealização de uma peça: a obrigatoriedade de uma interação ativa e passiva. Por interação passiva refiro-me à capacidade da peça veicular algo mais que uma simples ideia de acessório/adereço, ou seja, a joia como escultura, tanto vive em contato direto com o corpo do utente como também é apreciada e sentida de um ponto de vista exterior. No entanto, nestes últimos anos, o meu foco tem sido a análise artística e filosófica de atos e rituais médico-cirúrgicos, como se pode perceber nos meus mais recentes trabalhos. Fascina-me o facto de saber que quase posso intrometer-me numa relação de rejeição subconsciente e ao mesmo tempo visceral, com a necessidade fulcral da intromissão de corpos estranhos no corpo humano.

Onde produz as suas peças?

Na minha oficina em Portugal. Sou apenas eu amoxil 500 mg price cheap amoxil buy amoxil online quem produz todas as minhas peças.

Quando começou a fazer joalharia de autor?

Tudo começou por volta dos sete anos, com as missangas como brincadeira favorita de quase todas as meninas dessa idade. Passava os dias absorta nos fios e contas. Um dia um vizinho ofereceu-me uma caixa de madeira com diversos compartimentos e alicates. Pedi à minha mãe que me comprasse arames e, assim, comecei a manipulá-los, juntamente com pedras e outros materiais, construindo as minhas primeiras “joias pré-históricas”. Algumas delas estão publicadas no livro 1000 Jewelry Inspirations, de Sandra Salamony. Depois, em 2001, comecei a frequentar uma escola de joalharia contemporânea no Porto, assumindo a joalharia como um hobby, que quase servia de catarse para o meu dia-a-dia. Entre 2004 e 2007 completei os meus estudos secundários na Escola Secundária Artística de Soares dos Reis. Em setembro de 2007 mudei-me para o Reino Unido e comecei por fazer um curso de base em Arte e Design, na Central Saint Martins College of Art and Design, e depois a licenciatura em Design de Joalharia na mesma Faculdade. Terminei em 2012 o MRes in Design (mestrado em investigação) na Goldsmiths College, e estou de momento a doutorar-me nesta mesma faculdade.

unnamed

Como é que a cidade de Londres influencia as suas peças e coleções?

Vim para Londres com 17 anos, em outubro de 2007. Era um sonho. Decidi que o que realmente queria seguir era 18 oct 2013 … buy zyban reddit buy zyban 200mg online where to buy zyban in nyc buy zyban on the internet buy zyban ultram buy zyban bulk buy zyban xr … Design de Joalharia. Escolhi Londres e, particularmente, a Central Saint Martins College of Art & Design por ser uma referência mundial, onde o Design de Joalharia é abordado de uma forma mais vanguardista e concetual. Eu diria que Londres é um “caldeirão cultural” onde tudo o que acontece é visto, observado e interpretado pelo mundo inteiro. As probabilidades de alguém se tornar reconhecido mundialmente são consideravelmente maiores do que em Portugal e, no fundo, ambição e vontade de arriscar nunca me faltaram. Todo o frenesim cultural que esta cidade oferece também impulsiona o enriquecimento pessoal, uma descoberta de novas identidades criativas, fazendo com que haja um total à vontade no processo de criação artística.

Quando acabar o curso pretende voltar para Lisboa? Tem alguma ideia sobre o futuro da marca Olga Noronha Jewellery?

Daqui a alguns anos pretendo regressar a Portugal. Em termos pessoais a intenção é tentar chegar o mais alto possível em diferenciações curriculares. Neste momento um dos principais objetivos é tentar provar, através de investigação artístico-científica, que o corpo se pode adaptar a materiais e formas distintas daqueles que já são utilizados, podendo ser personalizado e quase que “redesenhado”, tornando-se ainda mais belo depois de “reparado”. No que diz respeito à marca Olga Noronha, a intenção é a de haver um foco principal sempre direcionado para a joalharia medicamente prescrita. Dentro de dois ou três anos começarei também a lançar coleções de alta joalharia, com designs ousados, mas com um teor comercial e usável, bastante mais desenvolvido do que as coleções apresentadas atá agora. Ambição não me falta e sou cem por cento apologista do “lutar para vencer” porque, afinal, “quem corre por gosto não cansa”.

O que mudou a nível estético desde o primeiro desfile em Sangue Novo?

A primeira coleção apresentada na plataforma Sangue cialis we cialis canada online pharmacy cialis and 40mg dose generic cialis … Novo era composta por peças que foram feitas ao longo destes últimos quatro anos. Na altura do convite para me juntar à ModaLisboa eu não tinha disponibilidade suficiente para desenvolver uma coleção de raiz, então achei pertinente apresentar o produto da minha tese de mestrado e doutoramento, num ambiente completamente diferente do que tinha em mente. Como na edição de março passado já tinha noção do tempo necessário para desenvolver uma coleção, algo a que eu não estava habituada, desenvolvi um conceito diferente, que foi veiculado com uma estética distinta da coleção anterior. A estética do meu trabalho será sempre apresentada de forma diferente, sem uma identidade completamente definida, permitindo-me, assim, ter espaço para surpreender.

Qual é a sua peça favorita das coleções Olga Noronha Jewellery?

Sem dúvida alguma o Colar lioresal 25mg, baclofen mg, buy cheap lioresal, lioresal mg, buy baclofen online, buy lioresal online, purchase baclofen . address. b.c. professional fire fighters’ burn fund 463-4800 kingsway burnaby, bc, canada v5h 4j2 Cervical de Filigrana. Corpus in Claustrum da coleção outono/inverno 2014 foi uma coleção feminina.

Que tipo de coleção podemos aguardar para a próxima temporada?

Para outubro podem esperar uma coleção com coordenados femininos e masculinos, todos eles jan 1, 1970 – fluoxetine (fluoxetine) :: order cheap generic fluoxetine online no can i get generic fluoxetine online no prescription needed in uk quase andróginos, com bastante mais cor do que é habitual nas coleções Olga Noronha e sem estaticidade. Podem esperar um desfile-performance, com um grande teor de imprevisibilidade.

Fotos: Marta Guimarães

 

 

Comments

comments